Ministro sugere uso da Lei Rouanet para financiar festas juninas

Ministro sugere uso da Lei Rouanet para financiar festas juninas
5 (100%) 1 voto

Durante uma audiência mantida em Brasília com os prefeitos de Campina Grande, Romero Rodrigues, e de Patos, Dinaldo Wanderley Filho, presente, ainda, o deputado federal Rômulo Gouveia, o ministro da Cultura, Roberto Freire, sugeriu que as tradicionais festas juninas realizadas em homenagem a São João, São Pedro e Santo Antônio nas cidades de Campina e Caruaru, em Pernambuco, sejam produzidas por meio da Lei Rouanet, mecanismo de incentivo a atividades artísticas e culturais do governo federal. Em dezembro, o ministério da Cultura chegou a disponibilizar cerca de R$ 300 mil para cada uma das festas juninas em Campina Grande e Caruaru.

O ministro Roberto Freire, no entanto, ressaltou que por meio da Lei Rouanet será possível à prefeitura dispor de uma verba ainda maior. “Tanto o São João de Caruaru quanto o São João de Campina Grande são festas nacionais. As duas celebrações podem ser feitas via Lei de Incentivo Fiscal. Vamos trabalhar juntos para garantir que os dois eventos sejam realizados com êxito”, frisou. O ministério tem feito restrições ao financiamento de eventos, inclusive, patrocinados por artistas famosos, devido à falta de prestações de contas sobre as promoções e especificação do uso dos recursos públicos. Mas é flexível diante de festas tradicionais, como as juninas, que fazem parte do calendário nacional de atrações.

O deputado Rômulo Gouveia (PSD) lembra que houve um esforço por parte do prefeito Romero Rodrigues para que a festa junina de Campina Grande tivesse uma redução nos custos e até na duração, mantendo, todavia, a qualidade que celebrizou a cidade com o slogan “O Maior São João do Mundo”. Esse marketing tem contribuído para atrair turistas de diferentes partes do Brasil e do mundo. Rômulo acrescenta: “Agora vamos estudar uma forma, juntamente com o Ministério, de apresentar um projeto para captação de recursos via Lei Rouanet que será avaliado pela Comissão Nacional de Incentivo à Cultura”.

Nonato Guedes